Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

Pérolas

Pérolas, momentos, delírios – são consequências de um feriado que chega também ao mundo dos blogues. Vale a pena, no entanto, recuperar dois posts que marcam a diferença – como é o caso daquele que Nuno Miguel Guedes escreve no Sinusite Crónica sobre o Carnaval. Depois de confessar o seu ódio ao evento, diz: “não compreendo a efeméride e isso irrita-me. Os meus amigos mais lidos e carnavalescos recordam-me a origem da coisa, o adeus aos prazeres terrenos antes do início da penitência da Quaresma. Ora eu não sou nada insensível aos prazeres terrenos: mas ver isso traduzido por roliças moças da Mealhada ou matrafonas de Torres Vedras é coisa que me ultrapassa. (...) Como último recurso os mais viajados descrevem o esplendor do Carnaval do Rio, a loucura orgástica de Salvador da Bahia, as mulheres lindíssimas e alegremente acessíveis que pululam nesses lugares. Erro deles. Sou um tipo antiquado, que acredita nos velhos rituais da sedução: uma mulher bem vestida, um bom vinho, um restaurante simpático, uma conversa estimulante. E assim de repente não estou a ver como poderia fazer isso mesmo com a mais deslumbrante das mulheres se ela estivesse vestida apenas com plumas a sair do traseiro. Chamem-me romântico”.

Digo-vos: a crónica de Nuno é notável e termina assim: “Até o provérbio «A vida são dois dias, o Carnaval são três» me parece ter sido escrito por Camus, como epígrafe para O Homem Revoltado e denunciador do ser humano abandonado a si mesmo, sem divindade que lhe valha. E é pensando na palidez da condição humana que me sento enquanto vejo uma mulher lindíssima a sorrir para mim, plumas saindo-lhe do traseiro”.

Noutro registo, noutro sentido, excelente também o longo post, muito bem ilustrado, de Pedro Correia no blog Delito de Opinião. Na ressaca dos Óscares, o jornalista revisita a Lisboa cinéfila de outros tempos com fotografias de época: “Percorro ruas e avenidas de Lisboa e vou-me lembrando dos cinemas que existiam ainda não há muitos anos espalhados pela cidade. Quase todos desapareceram já, devorados pelos novos hábitos de consumo, que nos mandam recolher a casa e olharmos a vida e os filmes pelo quadradinho da televisão”. Com este ponto de partida, recupera o Berna, o Satélite, o Monumental, o Apolo 70. Mas também o Império, o Camões, o Caleidoscópio, o Estúdio, o Terminal. Enfim, a lista é interminável e de todas as salas sai memória, saem filmes, e muitas daquelas associações são as mesmas que eu faço, que o ouvinte lisboeta faz, quando se lembra dos nomes daqueles cinemas. Remata Pedro Correia: “Lisboa é uma cidade que preserva mal a sua memória. E que parece ter deixado de gostar de cinema. Agora o que está a dar são as pipocas”.

Assim, entre um Carnaval indesejado e o passado que se revisita, uma união de facto entre dois textos a um tempo conservadores, porém muitíssimo bem escritos e cuja leitura constitui um prazer num momento de pausa para todos. Uma pausa também para a polémica, o debate fracturante, a actualidade politica. Hoje volta tudo à normalidade – e amanhã cá estarei para abrir essa Janela...

publicado por PRD às 00:11
link do post | comentar
1 comentário:
De Pedro Correia a 20 de Março de 2009 às 02:54
Só agora li o que escreveste, Pedro. Obrigado pelas tuas palavras.
Um grande abraço.


Comentar post

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds