Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

Grécia a ferro e fogo

Ainda aqui não olhei a Grécia, país que vive há semanas uma contestação sem precedentes que ameaça continuar esta semana com mais manifestações e confrontos. No mundo dos blogues, noto que é à esquerda que o tema suscita debate. Tem sido aliás no blog Cinco Dias que o acompanhamento do tema está a ser feito quase em tempo quase real. Este fim-de-semana, João Branco achava “mais ou menos claro (...) que o que é mais difícil de compreender para os portugueses é a destruição provocada pelos manifestantes, a vandalização de propriedade e confronto com os agentes da autoridade como forma de luta”. E tenta explicá-la: “Os bacanos que estão a partir tudo são os gregos. São as tais pessoas revoltadas. Não há uma separação clara entre o povo justamente indignado mas manso e os loucos que fazem pilhagens. Pelo que tenho lido, não são “meia dúzia de grupos” que estão envolvidos na revolta. Os motins são generalizados”. No mesmo blog, Tiago Mota Saraiva fala de “uma insatisfação cada vez maior da juventude, confinada entre empregos precários e mal pagos e o desemprego. A juventude é cada vez mais culta, mais instruída; é inevitável que se politize e que adopte as tendências de esquerda libertárias, pois são as que lhes oferecem garantias de não comprometimento com um poder cada vez mais corrupto”.

No Risco Contínuo, João Távora deixa um olhar mais conservador: “perante a realidade da natureza do homem, a democracia, o menos imperfeito dos regimes políticos, a ser viável, só o é com o exercício firme da autoridade, noção antagónica ao relativismo moral promovido pela cultura esquerdista (...). As rebeliões na Grécia começam com um caso de polícia e de delinquência juvenil que descamba desastrosamente por causa de uma crise profunda de autoridade do estado. Sem que no entanto deixem de facto de constituir um caso de polícia (...)”. Esta opinião deve irritar Francisco Trindade, no blog Anovis Anophelis, que diz: “O argumento do governo de que “não deve haver confusão entre a luta dos trabalhadores e a morte do jovem” caiu, assim, em saco roto. Na verdade não há nenhuma confusão – há sim ligação e solidariedade”.

No seu blog Sem Muros, Miguel Portas entende que, nesta fase, “O prolongamento da violência cruzada só interessa aos seus protagonistas. O risco, óbvio, é o de que a maioria da população passe da simpatia ou da passividade a uma exigência de mão dura e que o governo (...) acabe por recuperar posições (...). A Grécia, definitivamente, não é um país de brandos costumes”. E o que lá se passa, escreve Rick, no blog Spectrum: “diz-nos respeito a todos, porque se trata de um acontecimento (...) a desenrolar-se sobre os nossos olhos, em que um Estado perde, de facto, o controlo momentâneo sobre o seu território e o estéril debate sobre legalidade e ilegalidade sai da sua órbita habitual. (...) O habitual jogo semântico de destacar do seio de um movimento social o punhado de «violentos», «extremistas», «vândalos», «desordeiros» tornou-se impraticável, porque a revolta nas cidades gregas há muito ultrapassou essas dimensões”. Resta saber onde e quando vai parar e se alastra a toda uma Europa em crise.

publicado por PRD às 19:07
link do post | comentar

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds