Quarta-feira, 12 de Março de 2008

O que fica do que houve

Ora bem, hoje vou procurar na blogoesfera o futuro dos dias recentes – ou seja, tentar perceber o que fica depois da espuma destes dias de manifestações, confrontos e revoltas entre a sociedade civil e o poder que está. Se a blogoesfera define tendências, vamos ver onde elas estão. Tomás Vasques, no blog Hoje há conquilhas, é taxativo:
“Daqui para a frente, como as coisas estão, ou o país que ganha menos que os professores, que trabalha mais horas e que não participou na definição dos critérios que o avaliam diariamente dá sinais que está cansado da luta dos professores, ou o primeiro-ministro pede eleições antecipadas, como tira-teimas democrático ou, pior ainda, o poder cai na rua”.

João Pinto e Castro, no Blogexisto, remata: “não há dúvida que o governo se encontra sobre o fio da navalha”.
Sofia Loureiro dos Santos no blog Defender o Quadrado faz um ponto de situação que está muito para lá de uma guerra de professores:
“Foi verdadeiramente uma manifestação da classe média contra o governo, o desemprego, a redução do poder de compra e a crise que nunca mais acaba, a reboque do protesto de uma corporação que não quer mudar o que é obrigatório que mude”.
E mais à frente escreve: “Se Sócrates demitir a Ministra o governo acabou como tal, pois frustra-se e desautoriza-se a si próprio. (...) Se Sócrates não demite a Ministra, vai ter que aguentar a multiplicação e a ampliação dos descontentamentos vários, com as várias caixas de ressonância de todos os partidos políticos”
Rui Costa Pinto, no blog Crónicas Modernas, acha que “A substituição de Maria de Lurdes Rodrigues, a curto ou a médio prazo, é tão óbvia como a necessidade de um novo interlocutor governamental com capacidade para convencer os professores”. E considera que “José Sócrates é suficientemente inteligente para escolher entre a derrota e o suicídio político”.
Um beco sem saída para o Governo? Vital Moreira acha que não, no Causa Nossa: “Seria bom que não se confundisse a "democracia participativa" com uma suposta "democracia da rua". Os protestos de rua constituem obviamente um legítimo meio de pressão sobre os decisores políticos, conforme a sua força e o seu mérito. Mas não podem autoconstituir-se em instâncias de revogação ou de invalidação das decisões dos órgãos constitucionalmente competentes”
Por fim, encontro um longo texto de Bruno Alves no blog O Insurgente onde se deixam pistas para os futuros deste presente. Ele entende que “o Governo se encontra num equilíbrio precário: a sua propaganda assentava na sua “coragem”, “firmeza” e recusa em “recuar”, mas, obcecado com os resultados eleitorais, está condenado a desiludir se recuar e a enfurecer se insistir. O recurso à “rua” (...) torna-se assim apetecível, o que fará cada vez mais gente sair para a rua para protestar, sem no entanto ter esperança num caminho alternativo”.
Sem oposição à vista, o que resulta da maioria destas análises é essa ideia de beco sem saída: não há alternativa ao PS, mas parece que o tempo da paz entre governo e eleitores terá chegado ao fim. Pelos vistos, resta o protesto na rua.

publicado por PRD às 18:44
link do post | comentar

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds