Quinta-feira, 6 de Março de 2008

O PSD que resta

Luís Filipe Menezes disse, está dito: confessa que não está pronto para governar, ou que o PSD não merece ainda ser governo.
Bom, Manuel Jorge Marmelo, no blog Teatro Anatómico, estava a ser visionário. Ele escreveu antes desta entrevista: “Uma parte substancial daquilo que se escreve e diz sobre o PSD de Luís Filipe Menezes podia ter sido decalcado directamente daquilo que foi escrito e dito sobre o PSD de Durão Barroso antes do hara kiri do governo de António Guterres. Talvez Menezes esteja condenado ao fracasso. O futuro o dirá. Mas, entretanto, é preciso que algo vá sendo dito e escrito. E o que se ouve e lê é que Menezes já está politicamente morto”.

Na verdade, depois, o autor do blogue descobre um motorista de táxi que acha que o PSD vai ganhar as eleições. Mas parece um acto isolado...

No blog Papiro, Maremoto comenta a ideia de Menezes no Jornal de Noticias: “Se estas afirmações não fossem um autêntico disparate de comunicação, eu até ficava a pensar que elas eram honestas. Luis Filipe Menezes está a sair-me uma desilusão. É cada cavadela, uma minhoca”.
Daniel Oliveira, no Arrastão, delira, é claro: “Menezes é visionário. Onde alguns vêem um absurdo - dizer que tudo o que diz é inútil porque não merece ser primeiro-ministro -, eu vejo um homem que não é do seu tempo, que faz política muito à frente do nosso tempo. Vejo um político do século XXII. E se o PSD não se livra desta ave rara é mais ou menos nessa altura que vai voltar a formar governo”.
Filipe Nunes Vicente, no Mar Salgado, lembra que “o algodão não engana”: “É caso para dizer que o partido-empresa (...) ainda só está no papel e que era exactamente isto que se esperava dele e da sua comissão política. Mas se o PSD ao fim de três anos de oposição "ainda não merece ser governo", Menezes não é o único responsável. Não é não senhor”
Ora, vou então recuperar o blog de Pedro Santana Lopes que também nesta matéria está em desacordo com o líder, ou pelo menos a falar outra língua: “Por mim, escrevia há alguns dias, prefiro ser bem diferente de José Sócrates, que só vê defeitos nos seus adversários. Quando lhe ganharmos, no próximo ano, será também por sermos bem diferentes dele. Luís Filipe Menezes também o é”.
Jorge C, no blog Entre Deus e o Diabo” acaba por reflectir o que certamente muitos eleitores tradicionais do PSD sentem: “O PSD está de rastos! Menezes enterra o partido todos os dias com propostas de néon (...). O líder parlamentar e os deputados desdizem-se. Bem, é uma confusão que valha-me nosso Senhor Jesus Cristo. Está na altura de começar a pensar num partido mais à direita...”
Lá está: quando se perde o norte, quando tudo parece conduzir ao caso, a tentação de fazer de novo é grande...

publicado por PRD às 19:02
link do post | comentar
1 comentário:
De macho latino a 7 de Março de 2008 às 20:18
Caro Pedro Rolo Duarte,
Meneses não está mais do que a iníciar uma grande estratégia, afinal nós, os Portugueses gostamos de "coitadinhos",e assumindo essa inegável realidade laranja da falta de unidade dentro do partido, Meneses dá um claro sinal a toda a oposição interna que é necessário mudar.
O Povo , esse está descrente , mas a partir de agora vêem Luis Filipe Meneses com outros olhos, o do Homem que teve coragem de admitir as suas fragilidades, é que a "malta" gosta disso!!!
Ainda hoje , numa área de serviço assisti incrédulo á seguinte cena: Um cliente comentava com a empregada de caixa que o 24 horas estava de Parabéns, pois tinha um pedido de desculpas na primeira página, acerca da noticia de ontem, no minuto a seguir quase todos que estavam a ouvir a conversa foram comprar o dito jornal.
Gostamos ou não de "coitadinhos"?
Ainda se lembram do Zé Maria?

Cumprimentos


Comentar post

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds