Terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

Lhasa de Sela

A cantora americano-mexicana Lhasa de Sela, 37 anos, morreu na sexta-feira, vitima de cancro. O anúncio foi feito apenas ontem, mas desde o dia 1 que a noticia corria. Não corria nos jornais – corria na rede, uma vez mais à frente da informação dita oficial. No blog Bitaites conta-se que “As primeiras notícias surgiram no Twitter. Horas depois, a editora que representa a cantora desmentia: «Por respeito para com Lhasa, ficaremos muito agradecidos se acabarem com esse rumor». (...) A editora precipitara-se no desmentido e provavelmente sabia tanto como nós. A notícia difundida no Twitter correspondia à verdade. Ontem, o site oficial de Lhasa confirmou o desaparecimento desta belíssima cantora”.

Cantora de culto, com muitos admiradores entre nós, o seu obituário acabou por se estender no tempo, ou ser antecipado pelos rumores – um sinal dos tempos, quando é justamente na rede que a notícia começa a circular. Bom, deixemos o facto onde ele deve ficar, vamos à morte de Lhasa: “Diz-se que é sempre cedo de mais para se morrer. Mas, por vezes, acontece que a frase não é apenas uma frase feita. Aconteceu hoje” – isto escreveu Ana Vidal, no Delito de Opinião. No Sound and Vision, o jornalista e critico Nuno Galopim traça-lhe o retrato artistico: “Gravou apenas três álbuns. Mas entre eles um dos mais marcantes títulos da discografia dos anos 90. Chamou-lhe La Llorona e, nesse 1998, o disco colocava em cena o nome de Lhasa de Sela. O disco, não sendo um auto-retrato, acabava por traduzir passos e espaços de uma vida de invulgar nomadismo. Lhasa nasceu numa pequena cidade do estado de Nova Iorque em 1972, filha de um mexicano e de uma americana. Viveu a infância habitando o espaço de uma carrinha de escola transformada, num quase ziguezague entre o Méxicio e os EUA, na verdade nunca muito longe da fronteira. Essas memórias, vivências e sons ganharam forma em La Llorona, o álbum de estreia que imediatamente conquistou atenções mundo fora”.
No 5 Dias, Renato Teixeira sintetiza: “Apesar da curta carreira a sua memória tem muitas pautas onde ficar guardada e muitas paragens para recordar”. E sobre recordações, o desbafo de Miguel Marujo no Cibertulia: “A morte, malvada, só não nos tira a música”.

Fecho com a memória de Fernando Moreira de Sá no blog Aventar, muito sentidamente: “Sinceramente, faltam-me as palavras, as palavras certas para descrever tudo o que senti quando ouvi, pela primeira vez, as suas músicas, o seu canto profundo, vindo das profundezas da alma. Uma voz assombrosa de uma mulher do Mundo mas cuja estética musical é, claramente, mexicana e só os Deuses sabem como tão bem tratam a música no México. (...) Como foi possível, tão nova, ver a sua vida interrompida por um maldito cancro de mama. E eu, parvo ignorante, que julgava quase impossível uma mulher tão nova, tão jovem, morrer assim. A melhor homenagem é ouvir as suas músicas e nelas descobrir a verdadeira Lhasa, a nossa Lhasa, a minha Lhasa de Sela”.

 

publicado por PRD às 19:10
link do post | comentar

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds