Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

O ritual de Cavaco

Há rituais a que não escapamos – um deles é começar o ano com um discurso do Presidente da Republica. O ritual cumpriu-se e o fim-de-semana acabou por ser marcado pelas palavras de Cavaco Silva. Um resumo em quatro linha de Paulo Morais no Blasfémias: “O país está um caos e ninguém faz nada. O governo não resolve nada, o parlamento também não. O PR fala bem, mas também não pode fazer nada”. Mais reflectido, Rodrigo Adão da Fonseca, no Insurgente: “Quando o Parlamento e o Governo estão fragilizados ou com dificuldade de entendimento, o papel do Presidente da República obriga a que imponha alguma estabilidade no sistema político. Foi esse o sentido da intervenção de Cavaco”. José Medeiros Ferreiranão vê as coisas tão claras meridianas, e tem o seu toque de humor habitual: “De pai tirano quando era primeiro-ministro tornou-se pai severo em Presidente. O que arrepia neste regresso ao futuro é perceber que Cavaco Silva deixa discípulos...”.

No blog Escrita em Dia, CN achou pouco o que disse Cavaco: “O Presidente não teve peito para chamar os bois pelos nomes e foi pena”. Rui Fonseca, no blog Aliás, ouve Cavaco pedir aos partidos e ao Governo que se entendam e fica na duvida: “ficamos sem saber se a indicação é uma ordem ou uma advertência e um encolher de ombros. E deviamos saber: se o PR exige o pacto interpartidário que as circunstâncias impõem e, caso esse acordo não seja atingido (...) ele tomará conta das rédeas do cavalo à solta, ou prossegue na posição minimizante das suas funções”.

No Terra de Espantos, Francisco Clamote não ouviu um Cavaco Silva duro com o Governo - “atrever-me-ia até a dizer que os recados de Cavaco Silva tiveram como principais destinatários os partidos políticos da oposição parlamentar, ao acentuar que o Governo tem toda a legitimidade para governar; ao considerar necessária, por parte da oposição, "uma atitude de diálogo e uma cultura de responsabilidade".

Outros olhares sobre esta intervenção: Maria Dá Mesquita no Golpe de Estado sublinha o facto do Presidente ter dito que “a crise que vivemos hoje não é só uma crise económica, mas é também uma crise de valores, apelando para a necessidade de «recuperar o valor da família»”. António Balbino Caldeira, no Portugal Profundo, afirma que se engana “quem entendia que o Prof. Cavaco Silva se tinha rendido aos socialistas e não se candidataria a novo mandato. Este período final do seu mandato tem surpreendido (...) pela mudança da perniciosa política de «cooperação estratégica» (...) para uma política de autonomia e resistência”. Renato Teixeira, no Cinco Dias, até concordaria mas ele vê um filme mais completo no mesmo ecrã: “O mais interessante nas palavras do PR foi a forma infantil como antecipou a crítica de que este, tal como Alegre, já está em campanha eleitoral: “(...) Falo aos Portugueses quando entendo que o interesse do País o justifica e faço-o sempre com um imperativo: nunca vender ilusões nem esconder a realidade do País”.

E parece que por esse lado o retrato do Presidente não anda longe da verdade: situação explosiva é o mínimo que temos pela frente em 2010.

publicado por PRD às 02:09
link do post | comentar
1 comentário:
De Aguia de Ouro a 5 de Janeiro de 2010 às 11:23
Newsletter Semanal #5

Blog Águia de Ouro (http://aguia-de-ouro.blogspot.com/)

Antes de mais, o Águia de Ouro, deseja a todos um Feliz Ano de 2010!
Está para votação o onze da década do Sport Lisboa e Benfica, os melhores jogadores que passaram entre 2000 e 2009 pelo Benfica estão para votação numa táctica de 4-4-2. Vote no onze que pensa que marcou a década do Sport Lisboa e Benfica.

Posts Anteriores:

- O Onze da década
- A Liga Sagres após 14 jornadas...
- Tudo vermelho após o Natal
- Feliz Natal
- Raça de Campeão

http://aguia-de-ouro.blogspot.com (http://aguia-de-ouro.blogspot.com/)


Comentar post

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds