Segunda-feira, 23 de Novembro de 2009

Jorge Ferreira

Quem ouve regularmente a Janela Indiscreta sabe que há blogues mais citados do que outros – e na maioria dos casos, isso sucede pela mistura oportuna de qualidade na opinião com actualidade. Ou seja: os blogues que estão sempre em cima dos temas de actualidade, e que a isso juntam bem escrever e bem pensar, ganham vantagem na hora de escolher os bocados de cada dia. Um dos blogues que cumpria os dois preceitos, e com mais valor por ser de um homem só, era o Tomar Partido, do ex-dirigente do CDS Jorge Ferreira, agora ligado á Nova Democracia de Manuel Monteiro.

Não imaginava que Jorge Ferreira estivesse doente, porque a produção de posts continuava regular e atenta. O ultimo post foi publicado na quinta-feira e ironizava a respeito do défice de 8% do produto interno bruto (PIB) do mesmo Governo que passou a campanha eleitoral a dizer que tinha posto em ordem as contas publicas.

Pelos vistos, o computador acompanhou-o até ao Hospital - Jorge Ferreira morreu no sábado, com apenas 48 anos, e deixa assim, em suspenso, o seu Tomar Partido tantas vezes aqui citado. É um sensação estranha, esta, a de entrar num blog que está activo, em silêncio, é certo, mas activo, sabendo que o seu autor já não está entre nós.
O jornalista Pedro Correia, no Corta-fitas, cita Jorge de Sena: “nenhuma morte é natural. Fomos feitos para a vida, não para a morte. E se há pessoa que conheci sempre com imenso amor à vida foi o Jorge Ferreira.(...) O Jorge estava doente há dois anos, mas sempre enfrentou a doença como travou tantos debates políticos ao longo da sua vida parlamentar, como presidente da bancada do CDS: de frente, com coragem e tenacidade. Com o mesmo desassombro que revelou quando rompeu com o partido em que militava desde a adolescência, em desacordo profundo com Paulo Portas. Com a mesma franqueza e a mesma determinação que utilizava para escrever no seu blogue, Tomar Partido”.

António Balbino Caldeira no blog Do Portugal profundo, recorda-o como um “dos políticos percursores nos blogues (e mais tarde também para o Facebook), sem a poeira da vaidade, dos primeiros a fazer radar de notícias, lincando os novos sem notoriedade precedente”. No Câmara de Comuns. Paulo Ferreira sublinha o carácter do politico: “Mesmo que não concordássemos com tudo aquilo que o Jorge nos ia escrevendo, sabíamos que sempre que o fazia erguia mais alto a sua sinceridade e frontalidade – ler o Jorge era e sempre será um hino à Liberdade. Aos lermos o Jorge aprendemos que a liberdade não é património da esquerda, nem da direita, simplesmente da democracia”.

No mesmo blog se recorda um post de Jorge Ferreira, em Março, citando Jorge de Sena: “Acreditai que nenhum mundo, que nada nem ninguém vale mais que uma vida ou a alegria de té-la”. 
“Nunca teve medo de tomar partido”, escreve Diogo Belford Henriques: “Contra ele debati e discuti, no CDS há anos atrás e nos blogues mais recentemente. Sempre soube que viria resposta forte, de um adversário que não desistia de defender o que acreditava. Sempre a recebi, que Jorge Ferreira não era homem de ficar sem dar resposta: assertiva, irónica por vezes, mas sempre de forma correcta”.

É essa voz que desaparece – e é esse blog que fica em suspenso, num vazio difícil de explicar, impossível de aceitar.

publicado por PRD às 01:07
link do post | comentar

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds