Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

Saramago, mais uma vez

"A Bíblia é um manual de maus costumes e um catálogo do pior da natureza humana" – assim falou José Saramago na apresentação do seu novo livro, "Caim", que se realizou em  Penafiel. O que esperava o escritor? Reacção. E ela não faltou um pouco por todo o lado, a blogoesfera acordou pela primeira vez desde as ultimas eleições. No blog 5 Dias, Ricardo Noronha tenta defender o indefensável: “qualquer tentativa de remexer pedras no passado cristão é acolhido com imediata hostilidade por parte dos meios eclesiásticos, sejam quais forem os termos usados (...). Dizem-nos que Saramago escreve motivado pelas suas convicções ideológicas.  Será que não o fazemos todos?”. Talvez sim, mas tenho dificuldade em encontrar quem concorde. Mesmo à esquerda, Daniel Oliveira escreveu: “Dizer (...) que tudo o que se lê na Bíblia é “absurdo” e “disparatado” não é apenas infantil. É, vindo de um escritor, revelador de uma assinalável ignorância e insensibilidade cultural”.

Agora vamos ás reacções, começando pelas intenções do escritor: “A única coisa que enoja é que nas suas campanhas publicitárias e para vender os livrinhos que lhe brotam da cabecinha se ponha a ofender galhofeiramente milhões de crentes (...). O homem pretende barulho, confusão, estardalhaço para vender as historinhas”. Assim escreve Vasco Lobo Xavier, no Mar Salgado. No Teatro Anatómico, Manuel Jorge Marmelo concorda e acha “que se trata de um truque de marketing relativamente gasto e cansado (...), criticar o catolicismo é uma actividade que não carece, hoje, de especial coragem”.

No Insurgente, Maria João Marques: “não são as burrices anti-católicas e anti-judaicas de Saramago que o tornam merecedor de ficar nos escaparates das livrarias em vez de em nossas casas, nem sequer o facto de não perceber do que escreve (...). Há muitos bons livros escritos, mais ou menos informados, que contraditam ou interpelam a Bíblia, e eu tendo a consumir o género. A razão para não ler Saramago é tratar-se de um mau escritor.”. João Carvalho, no Delito de Opinião, vai mais longe: “Saramago é um manual de mau gosto e não é de agora”. Bernardo Pires de Lima, no União de Facto, limita-se a olhar o “o pseudo-político, pseudo-ideólogo e aprendiz de ditador”: “uma criatura triste. No país que Saramago idealizou e quis praticar durante uns tempos, não existiu liberdade. E ele contribuiu bastante para isso”. Pedro Quartin Graça no Risco Contínuo: “É verdadeiramente mau de mais”. E faz um apelo com memória: “Volta Sousa Lara, estás perdoado!”.

 Miguel Marujo, no Cibertulia: “O problema dele é que lê a Bíblia e mete-a encafuada no seu sistema de valores - que só prevê o gulag, a tortura, o centralismo, o acefalismo da opinião”.

E podia passar horas aqui a reproduzir comentários deste tipo, confirmando o que escreve Pinho Cardão, no 4ª Republica: “Saramago continua vesgo. (...) interpreta literalmente textos de há mais de mil anos. Não procura o contexto. Não conhece a história. Não vê mais do que os seus ódios de estimação. É curto para um Prémio Nobel”.

E é aqui que a Janela se fecha: pensar que estas afirmações foram ditas por um Prémio Nobel, deixa-nos a todos um pouco envergonhados. Parece que sim.

publicado por PRD às 03:17
link do post | comentar

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds