Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

Os golos portugueses

A Liga dos Campeões deixou de estar na rota do Futebol Clube do Porto - ironia das ironias, foi um português, Cristiano Ronaldo, a eliminar a equipa nacional, o que diz bem sobre isto de sermos cidadãos do mundo ou da terrinha. Sobre isso, poucas ideias no mundo dos blogues, encontrei esta no “Liga Galo de Ouro”: “Cristiano Ronaldo conseguiu nos últimos anos uma mão cheia de coisas irritantes. Tudo na liga dos campeões: fazer um manguito aos lampiões na Luz; eliminar o Benfica de Fernando Santos; marcar e eliminar o Sporting; marcar e eliminar o Mourinho; marcar e eliminar o Porto”. E mais ironicamente pergunta, a rematar: “e assobiam o rapaz porquê?”

Agora ficava aqui a matar a frase clássica, o futebol é mesmo assim. António Boronha, no blog com o seu nome: “Gostei da resposta de José Gomes à repetida pergunta de Luís Baila, se estava frustrado com o facto de não ter chegado às 'meias-finais' da 'champions'?... O treinador que substituiu Jesualdo Ferreira (...) respondeu-lhe que estavam orgulhosos de se terem batido de igual para igual com o campeão europeu e do mundo, de clubes, e líder da liga mais competitiva do planeta futebol. Nem mais. Não sendo um grande jogo de futebol foi, acima de tudo, emotivo quanto ao desfecho final. Da partida e da eliminatória”.

No mundo dos blogues há análises deste tipo, sensatas e com algum rigor, mas também há coisas do outro mundo, como o post de Anastercio Leonardo no Tertúlia Benfiquista, que ficou contente com a derrota do Porto. E vejam como explica tal sentimento: “A grande razão é o facto de eu viver no Porto. (...) Quando jogam o trânsito desta cidade fica um caos. Hoje um trajecto que geralmente faço em 2 minutos demorei 40 minutos.  Acho que para além das vezes que jogamos contra eles, nunca os insultei tanto como hoje. A outra grande razão, é que pelo menos amanhã vou ter um dia de trabalho santo”. O benfiquista que vive no Porto remata com um elogio a Ronaldo, claro

No Mar Salgado, Vasco Lobo Xavier rende-se ao resultado: “No fundo, no fundo, mutatis mutandis, a Champions League não é muito diferente do campeonato português...”. ou seja, “no fim ganharam os melhores”.

E voltando ao começo, isto é, voltando ao facto de ser um jogo com equipas de dois países mas jogadores de muitos outros, e do golo inglês ter sido afinal marcado por um português, percebo bem o que escreve Alexandre Borges no 31 da armada: “Nestas coisas, há quem apregoe ser dever moral torcer pela equipa pátria. Mas uns jogavam com três portugueses, os outros com dois - o meu coração balançou”.

Bom, quando se vê um golo como aquele que Cristiano Ronaldo marcou, é difícil não deixar o coração balançar. Onde fica Portugal – essa seria outra questão, talvez para outro dia...

 

publicado por PRD às 18:55
link do post | comentar
1 comentário:
De Luis Melo a 18 de Abril de 2009 às 12:43
O Futebol Clube do Porto foi afastado da Liga dos Campeões pelo Manchester United, com um resultado agregado de 2-3, depois de ter conseguido uma vantagem preciosa em Old Trafford.

1 - O FC Porto foi eliminado pela equipa campeã da Europa
2 - O FC Porto foi eliminado pela equipa campeã do Mundo
3 - O FC Porto foi eliminado com um golo do melhor jogador do Mundo
(no único momento em que o FC Porto lhe deu espaço, ao longo de 180 min)
4 - O FC Porto foi eliminado pela equipa de futebol mais rica do mundo
5 - O FC Porto jogou melhor futebol nos 2 jogos da eliminatória
(mas como todos sabemos isso não chega. Eficácia é essencial)
6 - O FC Porto sai de cabeça levantada desta edição da Liga dos Campeões


Comentar post

PRD

Pesquisar blog

 
Estes textos são escritos para serem “falados”, ou “lidos”, pelo que não só têm algumas marca de oralidade (evidentemente, propositadas...) como é meu hábito improvisar um pouco “em cima deles” no momento em que gravo a rubrica. Também é relevante dizer que, dado tratar-se de uma “revista de blog’s” – e uma vez que os blog’s não se preocupam com a oralidade ou com a eventual citação lida dos seus textos -, tomo a liberdade de editar minimamente os textos que selecciono. Faço-o apenas para que, em rádio, não se perca a ideia do blogger pelo facto de escrever frases longas e muito entrecortadas. Da mesma forma, não reproduzo palavrões nem frases pessoalmente ofensivas, assim como evito acusações cuja possibilidade de prova é diminuta ou inexistente. Sendo uma humilde crónica de rádio, tinha ainda assim de ter alguns princípios. São estes. Quem tiver razão de queixa, não hesite!

Textos recentes

...

Blog da Semana: As Penas ...

Outra vez o casamento ent...

Em dia

Lhasa de Sela

O ritual de Cavaco

2010

Blog do Ano 2009: O Alfai...

O ano 2009 - II

O ano 2009 - I

Arquivos

Outubro 2011

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favorito

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

Subscrever feeds